terça-feira, 26 de outubro de 2010

PET é Plàstico




Derivado do petróleo, o PET (diminutivo de politereftalato de etila) ou seja, o plástico, leva mais de duzentos anos para se desintegrar na natureza. O quê fazer com tanto PET? Aqui vão algumas idéias... Quase todo o nosso lixo pode ser reciclado mas nós ainda não estamos equipados para a reciclagem limpa e eficaz de tanto lixo. O ideal seria que consumíssemos cada vez menos materiais nocivos à natureza. As garrafas de refrigerante, de dois litros, em especial, aquelas garrafas de plástico que hoje ocupam espaço no fundo dos quintais e são montanhas jogadas em lixões das cidades (ou atiradas ao léo pelas estradas e caminhos) indo parar em canalizações, rios e lagos de todo o país, podem ser inteiramente reaproveitáveis. O que amenizaria, em uma primeira instância, um problema crônico no mundo que é a quantidade de lixo. Com as garrafas de politereftalato de etila, ou seja , com as garrafas PET, consumidas e jogadas fora, todos os dias, pode-se construir até uma casa ou uma ilha! Com as tampinhas se faz arte, com os aros das tampinhas se faz cortinas e com ao corpo das garrafas cria-se móveis ! Eu vi um monte de “garrafas PET” serem lavadas, cortadas, preparadas e transformadas em blocos leves e tão sólidos quanto a madeira . Eu vi ! Logo ali na esquina da rua do Ribeirão com a de Santo Antonio, em São Luis. Um endereço “ocupado” onde um grupo de mulheres pratica a solidadriedade aprendendo e ensinando. Hora como “respirar melhor” , com o Yoga e outras técnicas de meditação, hora como se abrir à Poesia, hora como salvar o mangue, hora como respeitar as crianças, hora em oficinas de recuperação de materiais. Tudo é na base do improviso e o resultado é sempre em comunhão. Afinal as pessoas, juntas numa empreitada, gostam de partilhar a tarefa, a comida e o sucesso , ou até mesmo a derrota, o que não foi aqui o caso. Seja como for , o importante é fazer, de preferência em harmonia , e assim, com prazer, continuar fazendo pelo bem comum. Aprender a fabricar um sofá com garrafas pet foi uma experiência surpreendente (a nível humano principalmente). Segue foto de toda a gente. São Luis, 30 de maio de 2008.

Ata, pinha, fruta do conde do meu quintal