domingo, 21 de outubro de 2012

Algo está errado

Pica-Pau é artista, dos mais radicais. Sóbrio ou drogado e sem grana. Quando bebe é um saco (como todo bêbado, aliás). Seu sonho é tomar uísque sendo entrevistado pelo Jô, para que sua história fique "registrada". De uma eloquência desconcertante, Pica-Pau tem pensamentos gritantes. Se vacilar você chora. Ele chora. Não entende porque a vida deu á ele talento e quase nenhum alento. Pobre, fodido, inconformado, sensível e verdadeiro. Nada que o reconforte. Faltam-lhe disciplina, reconhecimento, aconchego e amor (o próprio e mais principal). Vive do pouco que ganha trabalhando a madeira. O descubro pintor!!! Dos melhores. E na sua pintura como na sua postura percebo o perverso da mais-valia. Esse quadro que ele pinta (lindo!) ali na calçada - com tinta acrílica , para secar rápido - vai ser vendido na esquina por cinquenta reais. Metade vai para o consumo da pedra. A outra metade para os bens essenciais: pão com ovo, mortadela e suquinho em pó que ele quase mistura á água rás. Algo está mesmo muito errado: esse quadro vale mil vezes mais.