segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Uma vergonha chamada Sarney

A “dominguada” do Sarney desse 20 de novembro de 2011 é daquelas! Quem lê fica estarrecido diante de tamanha cara-de-pau. O cara é político há duzentos anos, senador e presidente do congresso nacional há meio século... Já foi “presidente” do Brasil ... e ainda escreve dessa maneira repugnante? Fala sério! Ele começa sua “coluna” (dele mesmo, pois o jornal também é dele!) dizendo que proferiu um discurso no senado com os índices da violência publicados em relatório da ONU e ele se diz espantado com o que leu, pois leu que no Brasil 37 pessoas  de cada 100 mil habitantes morrem assassinadas. Um dos índices mais altos do mundo. Ele só ficou sabendo disso agora?
O "honorável" sai divagando sobre a situação, citando a lei Fleury (que é realmente a porcaria da lei que permite assassino responder em liberdade), cita a constituição de 88, fala do caso Pimenta/Gomide, se compadece da dor das mães que perdem os filhos vítimas da violência no Brasil... E quase prega a pena de morte. Dá um show de velhacaria, mais uma vez!
Oras pelotas! Isso lá são falas de quem está no poder há séculos assistindo á tudo isso sem nunca ter feito nada para reverter a situação?  Não, um político de verdade, um senador da República, no mais alto posto do senado brasileiro, deveria ter acabado com isso faz  tempo. Deveria era usar seu título para impor ao congresso medidas justas, dar exemplo, fazer a coisa certa pelo bem do povo brasileiro.
Mas não... Durante todos esses anos ele “jogou”, blefou, ganhou, se deu bem, conchavou,  manipulou, extraviou, usurpou, mandou e desmandou e ainda envergonha nosso país...
Não, um presidente de senado que depois de tantos anos lê um relatório da ONU sobre a situação lastimável de seu próprio país e se acha no direito de apenas escrever uma colunazinha num jornal corrompido que pertence á ele mesmo...  Francamente!