domingo, 23 de outubro de 2011

Só "ele" é inteligente ...


Não, não dá para acreditar. Está no jornal do poderoso chefão: Acervo da Fundação José Sarney é doado para o governo do Estado. Tiveram a cara dura de publicar tim-tim por tim-tim tudo que o velhaco está deixando como herança ao pobre povo do Maranhão para tentar justificar a "estatização da fundação". Não há justificativa que o valha. Gente, tem até folheto de programa de viagens de dona Marly Sarney! Uma santa ceia feita em saco de estopa?! Os Sermões, do padre Antônio Vieira (aquele que deixou o Maranhão pedindo á Deus que nunca mais tivesse que retornar!). Um Maquiavel editado em 1560?! Despachos da época do impeachement de Collor ?! Nossa! Para o Maranhão? Ahh! mas sem essas "preciosidades" o povo do Maranhão não poderia se "agigantar"! Francamente ! Nada, dos 40 mil itens que o esperto político, senador do Amapá e presidente vitalício do senado brasileiro está "doando" ao Estado, tem real valor. São itens acumulados em cinco anos de "presidência da república" que deveriam constar do acervo do Museu da República no Rio de Janeiro, onde certamente estariam catalogados e referenciados como o período em que o Brasil foi governado por aquele que não era para ser. O maior dos acidentes da nossa história. A maior decepção. Talvez o maior erro também. Mas o mal está feito. Pior é ver estampadas na reportagem da "famiglia" as fotos de peças sacras que muito provavelmente pertenciam ao patrimônio de nossas igrejas barrocas que vem sendo roubado e dilapidado ao longo dos anos pelos ricos católicos e fervorosos colecionadores de "arte". Será que um dia o Sarney vai devolver ao Estado os portões do cemitério de Alcântara? Talvez.... Se criarmos uma outra fundação: Fundação do Retorno do Patrimônio Histórico Roubado do Maranhão. 
Em sua coluna "dominguada", o próprio Sarney tenta convencer os leitores de que ele é o único político inteligente e que só ele foi capaz de "uma das maiores obras de amor e benemerência ao Maranhão: doar ao povo do Maranhão um patrimônio que os outros presidentes venderam. Eu o fiz com grandeza e amor"... Francamente!!! Esse homem sofre mesmo de egocentrismo e falta de discernimento. Outra coisa de que ele se vangloria sempre é de ser um homem culto, que lê muitos livros... Vive citando Shakespeare, Santo Agostinho, Voltaire...Na França existe um ditado para esse tipo de pessoas: "La culture c'est comme de la confiture, moins on en a, plus on l'étale". "A cultura é como geléia, quanto menos a gente tem, mais a gente espalha" Mas é o tal negócio... Em terra de cego quem tem um olho é rei. Abra o olho Maranhão!